O que é o hormônio cortisol e como ele interfere na sua vida?

O hormônio cortisol é bastante conhecido como o hormônio do estresse. Você sabe o porquê? Entenda como ele é produzido e quais impactos pode causar na sua vida, incluindo seu desempenho físico.

Essencial para o funcionamento do sistema imunológico, o hormônio cortisol atinge seus picos de produção acima do normal no organismo quando ficamos estressados.

Como o hormônio cortisol é produzido pelas glândulas suprarrenais, localizadas acima dos rins, ele tem influência sobre a glicose e o humor da pessoa. Essa substância deve sempre ser produzida em equilíbrio, pois quando está em falta ou em excesso traz consequências nada agradáveis para nosso organismo.

Os níveis desse hormônio variam de acordo com o momento. Durante a manhã, é o período em que o nível está mais alto, e vai baixando ao longo do dia. Essa variação está ligada a atividade diária e à serotonina, substância responsável pela sensação de prazer.

Por isso, vamos ver alguns perigos que os níveis de cortisol desajustados causam e como mantê-los controlados.

Perigos do hormônio cortisol alto

Quando o nível de cortisol aumenta, as reservas de energia do organismo rapidamente são mobilizadas. Assim, a corrente sanguínea recebe um alto fluxo de glicose para impulsionar as atividades cerebrais e maximizar a concentração.

O objetivo dessa alta é fazer que o cérebro tenha energia suficiente para tomar decisões de maneira rápida. Porém, o comportamento da pessoa pode ficar agressivo ao extremo. O aumento do cortisol também pode conduzir a um quadro de estresse crônico, ou seja, quando não há motivo para estresse mas está presente.

Assim, a pessoa sente-se com frequência irritada e essa alta também altera todo o seu metabolismo. O cortisol alto leva à destruição do sistema muscular. Por isso, quem está em busca de aumento da massa muscular, precisa acompanhar de perto os níveis desse hormônio no corpo.

Quando o hormônio cortisol atinge um pico no organismo, os músculos se desintegram para que sejam retirados deles os aminoácidos e a glicose. A pressão sanguínea aumenta, liberando ainda mais glicose.

O corpo passa, assim, por um “choque de adrenalina” devido ao aumento súbito de energia. Essa diminuição das proteínas degrada os tecidos musculares. Além disso, o cortisol alto também está ligado à obesidade, com acúmulo de gorduras no abdômen e nas costas para homens e acúmulo de gorduras nos quadris para mulheres.

Como controlar o cortisol?

Para não trazer problemas de saúde e prejudicar os sonhados resultados, há algumas recomendações para manter o cortisol estável. Estudos revelam que, nos minutos iniciais do treino, o cortisol sobe para 60-65 μg/dl. Em seguida, estabiliza em 35 μg/dl, aumentando novamente após 40 ou 50 minutos da atividade.

Por isso, a recomendação é para que treinos de força não ultrapassem os 45 minutos. Após esse tempo, os músculos iniciam os processos anabólicos, resultando na destruição da massa muscular.

O consumo de suplementos também é essencial para quem deseja estabilizar os níveis de cortisol. A lógica é simples: se você ingere os aminoácidos essenciais para a produção de glicose, o organismo não precisa aumentar os níveis de cortisol de maneira significativa. Afinal, não há necessidade em fornecer energia adicional. Para saber mais sobre suplementação, recomendo a leitura deste artigo.

Espero que meu artigo tenha ajudado você a entender um pouco mais sobre os efeitos do hormônio cortisol no organismo.

Até a próxima!

Dr. Márcio Tannure

Dr. Márcio Tannure

Referência na Medicina do Esporte, Márcio Tannure é membro da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia e Membro da Sociedade de Artroscopia e Traumatologia do Esporte. Faz parte da equipe médica do Flamengo há mais de 15 anos e Médico Oficial da UFC desde 2011.