Qual a relação entre o estresse e atividade física?

Estresse e atividade física tem uma importante relação na hora de verificar como está a saúde e o condicionamento da pessoa. Quando falo do estresse, refiro-me diretamente ao hormônio cortisol que é assim conhecido.

No entanto, saiba que o cortisol não é apenas o hormônio do estresse. Em um cotidiano atribulado como vivemos, repleto de situações estressantes e muitas vezes sem uma alimentação de qualidade, é responsável por gerar uma série de sintomas clínicos.

Depressão, ganho de peso, retenção líquida, fadiga, infecções recorrentes… São apenas algumas consequências do estresse físico, mental e emocional.

Mas, o que isso tem a ver com atividade física? Ocorre que uma rotina de treinos também gera o estresse físico que tem influências nos níveis de cortisol.

Leia também: Entenda por que musculação é remédio

Estresse e atividade física: resultados

Medir o cortisol é muito importante para quem faz exercícios físicos, independente se o objetivo é ganhar massa muscular ou evoluir o condicionamento físico como atleta.

Ao comparar os níveis de testosterona com o cortisol, por exemplo, é possível descobrir se o organismo está gerando mais hipertrofia ou se está catabolizando. Quanto maior o cortisol em relação à testosterona, mais massa muscular é queimada no treino. Quanto maior o nível de testosterona em relação ao cortisol, mais hipertrofia.

Por esse motivo que é tão comum falar em aumentar a testosterona, considerado um hormônio importante para aumentar não apenas a massa muscular, mas também a força e melhorar a recuperação. Além disso, tem efeito anti-envelhecimento.

Entre as maneiras de aumentar a testosterona, indico muito o uso de fitoterápicos naturais. É uma forma de não precisar repor de forma artificial, afinal, o fitoterápico ajuda a controlar o cortisol. Lembrando que é preciso regular para equilibrar, não para eliminar o cortisol.

A importância do equilíbrio do cortisol

Estresse e atividade física estão intimamente relacionados de forma que o cortisol baixo também não traz resultados interessantes. Em uma situação de overtrainning, por exemplo, o cortisol atinge seu pico e em seguida cai muito.

Quando o organismo está submetido a uma carga de exercícios muito acima da sua capacidade, o cortisol e a testosterona ficam desequilibrados. As consequências são desastrosas, com impactos na rotina de sono.

É por isso que defendo o descanso do organismo entre um treino e outro, para que o músculo possa fazer sua recuperação. Além de não aumentar a massa muscular, exceder os limites do seu corpo na rotina de treinos traz sérios danos à saúde.

Espero que meu artigo tenha ajudado você a compreender que o cortisol é um importante marcador da carga de treinamento e também da saúde em geral.

Para saber mais, assista ao vídeo abaixo e aproveite para se inscrever em meu canal do Youtube.

Até a próxima!

Dr. Márcio Tannure

Dr. Márcio Tannure

Referência na Medicina do Esporte, Márcio Tannure é membro da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia e Membro da Sociedade de Artroscopia e Traumatologia do Esporte. Faz parte da equipe médica do Flamengo há mais de 15 anos e Médico Oficial da UFC desde 2011.